Este texto fará você revolucionar suas estratégias de marketing

Este texto fará você revolucionar suas estratégias de marketing

Perguntas que esse texto se propõe a ajudar a responder:

– Como aprovar uma campanha de publicidade antes dela ir pro ar?

– Como saber se minha ideia de campanha está boa?

– Por que algumas campanhas publicitárias chamam mais a atenção do que outras, mesmo sendo “feias”?

– Por que a Casas Bahia investe 4,2 bilhões de reais* para anunciar geladeiras que “ninguém presta atenção”

* http://exame.abril.com.br/marketing/os-30-maiores-anunciantes-do-brasil-em-2014/

Se você já teve contato com qualquer texto ou aula de administração e marketing, com certeza já ouviu falar nos 4 P’s. Embora muita gente confunda o verdadeiro autor dessa teoria não foi Philip Kotler. Isso acontece, pelo fato desse conceito ter sido disseminado por ele em seus livros, mas na verdade ele foi criado por outro autor, chamado McCarthy. Mais importante do que saber o autor é ter insights de como aplicar essa teoria na prática para melhorar os resultados das estratégias de marketing do seu negócio.

Os 4P’s do marketing são: Preço, Praça, Produto e Promoção. A publicidade e propaganda, se encaixa dentro do P de Promoção, que também é chamado de Comunicação de Marketing. Esse “P” engloba todas as estratégias quando uma empresa precisa se comunicar com seus clientes. Só por essa pequena introdução, você já consegue ter uma ideia do tamanho que é o marketing e que ele não se trata apenas de propaganda, como muita gente acha. Separei nesse texto, o que é para mim, uma das partes mais importantes dentro de toda teoria sobre os 4 P’s ou como também é chamado, o Marketing Mix. Através da simples compreensão dela, você poderá rever todas as suas estratégias de marketing e repensar suas ações de divulgação daqui para frente. Eu estou falando da Atenção Seletiva.

Existem três classificações de como o consumidor compreende uma informação recebida através da publicidade. São conceitos básicos que podem ajudá-lo a compreender este processo. A primeira delas chama-se Atenção Seletiva. Este processo funciona da seguinte maneira: Quando queremos comprar um produto, é como se a gente ligasse uma antena capaz de captar toda informação relacionada a este produto em nossa volta. Se estamos precisando comprar uma geladeira, o simples fato de escutarmos as palavras, geladeira em promoção, em um comercial de televisão, nos faz virar toda a atenção possível para o comercial. Palavras-chave usadas na sua comunicação, farão toda diferença na hora de captar a atenção das pessoas certas. Isso também nos responde aquela dúvida clássica: “nunca vi ninguém que presta atenção nas propagandas da TV, porque será que eles continuam fazendo?”. Você tem essa sensação porque não é todo dia que a gente compra um eletrodoméstico, mas pode ter certeza2 de que, no dia que você estiver precisando de uma geladeira ou de um fogão, a sua Atenção Seletiva será acionada por uma propaganda da Casas Bahia ou de outra empresa deste ramo. Uma outra maneira é utilizar a Atenção Seletiva, a seu favor, é fazer variações de preço ou descontos grandes em relação ao padrão normal. Um desconto de 70% sempre chama mais a atenção do que um desconto de 20%. A segunda classificação chama-se Retenção Seletiva. Você já parou para pensar que nós somos expostos diariamente a milhares de campanhas publicitárias e nos lembrarmos de pouquíssimas ou de nenhuma? O fenômeno da Retenção Seletiva nos ajuda a entender porque isso acontece. O consumidor retém em sua memória apenas as informações que considera relevante, descartando as demais. A terceira e última classificação, chama-se Distorção Seletiva, aqui o consumidor distorce as informações com base em experiências prévias, positivas ou negativas, que já obteve de determinada marca. Se ele foi mal atendido uma vez em uma loja, é provável que quando ver um comercial desta mesma empresa, distorça as informações, valorizando um concorrente, por exemplo.

Antes de executar qualquer ação de divulgação, você deve ter bem definido três coisas: 1. Qual a mensagem principal. 2. Quem é a pessoa que eu quero atingir. 3. Qual a minha expectativa em relação a essa campanha.

  1. Qual a mensagem principal?

Essa talvez seja a mais difícil de definir das três. Não faça nenhuma campanha sem dedicar alguns minutos para definir qual a mensagem central por trás desta campanha ou dessa ação de marketing. É justamente isso que vai te ajudar a criar uma campanha publicitária que desperta verdadeiramente a Atenção Seletiva do seu público-alvo. Tópico do próximo passo para criar uma ação de ação de marketing vencedora.

  1. Quem é a pessoa que eu quero atingir?

Uma das coisas mais importante é ter bem definido seu público-alvo e suas personas, clique aqui e acesse esse texto que te ajudará a criar suas buyer personas. A persona é como se fosse um padrão único dentro do seu público-alvo. Basicamente é um personagem criado por você que te ajudará a traçar estratégias para suas propagandas.

  1. Qual a minha expectativa em relação a essa campanha?

Você quer aumentar suas vendas através de uma campanha de publicidade?

Campanhas dificilmente geram, automaticamente, aumento de vendas. O aumento de vendas está atrelado a uma série de coisas como: uma oferta irresistível ou pelo menos a percepção por parte do cliente sobre essa oferta. Uma equipe de vendas treinada e preparada para receber o aumento de procura por um serviço ou produto (esse sim é um objetivo plausível de se esperar da propaganda). E por fim, uma boa capacidade de estoque ou de atendimento para entregar o que foi ofertado na propaganda. Alinhar sua expectativa antes de executar qualquer ação de marketing, não só evita frustrações desnecessárias, mas também ajuda a orientar a melhor estratégia.

Com tudo isso em mãos, fica muito mais fácil definir o que realmente é importante e o que você pode retirar das suas campanhas publicitárias para despertar a Atenção Seletiva do seu público-alvo e assim, conseguir criar estratégias de marketing para sua empresa que realmente dão resultado.

Quer mais dicas de marketing digital? Clique aqui.

 

Como ser criativo na publicidade e na vida

Como ser criativo na publicidade e na vida

Assim como na criação de marcas, logotipos e até mesmo na criação de campanhas publicitárias, a criatividade é algo inerente e muito importante. Porém, ao contrário do que muita gente pensa e acredita, a criatividade pode ser desenvolvida, ela não é um dom. E mesmo quem não trabalha em uma agência de publicidade, pode e deve desenvolvê-la. Acontece que muitas pessoas são criativas, mas simplesmente não sabem disso.

Mas e aí, como ser criativo? 

Não é fácil responder esta pergunta, até porque para se criar algo, não existe uma fórmula. Cada pessoa tem seu jeito. O que existe são algumas técnicas que facilitam a criação e ajudam a ter ideias realmente inovadoras.

Uma dessas técnicas pode ser encontrada no livro “A Arte da Guerra”.  Que conta que o principal general da época, quando ia traçar suas estratégias, lia livros que não tivessem nada a ver com a guerra, mas que o fizessem pensar em outras coisas, que não em armas e estratégias de combate. E assim ele conseguia abrir a sua cabeça, ter uma visão ampla do que estava acontecendo e traçar uma estratégia surpreendente para vencer as batalhas. Isso, dentro do ramo de marketing e da agência de publicidade é o que chamamos de Insight. O famoso “eureca” ou “estalo mental”, um momento inesperado de inspiração. São descobertas ‘quase’ acidentais, que acontecem principalmente quando conseguimos retirar o foco do problema principal e nos concentramos em alguma outra coisa. Pode ser também uma combinação acidental de dois elementos químicos em um laboratório que cria uma reação revolucionária, por exemplo. Mas para que você perceba o “acidente criativo” que acabou de acontecer, você precisa estar preparado para isso. Para estimular sua criatividade, você pode seguir estes 3 passos:

 

1 – Busque muitas referências

Basicamente a criatividade é algo que surge e nós não estávamos procurando. Mas a inspiração não acontece por acaso, ela exige um grande conhecimento prévio, até mesmo para você identificar que está diante de uma grande descoberta. Quanto mais cultura, melhor, mesmo que num primeiro momento pareça não fazer sentido e não esteja diretamente relacionado ao tema principal que você está querendo criar. Por isso, leia muito, veja muitos filmes, escute muita música e busque sempre por conhecimento.

Referências para ser criativo

Como ser criativo? O primeiro passo é buscar referências culturais. Imagem: how-br.blog.ehow.com/

2 – Não fique preso ao passado

Se você quer ser mais criativo, jogue fora todos os preconceitos que tinha sobre o assunto e entre numa nova fase, a partir e agora, mais criativa, mais leve e com mais resultados. Deixo como dica você assistir o filme A Rede Social, que conta a história de criação do Facebook. Perceba que no filme, Mark Zuckerberg e seus amigos não estavam procurando ser criativos, eles sequer estavam procurando criar algo revolucionário. E mesmo assim, “sem querer” criaram uma das maiores invenções do homem moderno. Atualmente, nós não damos a devida importância para o que o Facebook representa. E mesmo ele entrando na chamada publicidade online e permitindo criar anúncios, continua sendo uma plataforma que estará nos livros de história dos nossos netos e bisnetos, como um dos ingredientes principais para a revolução digital, que estamos vivendo. Isso, é claro, se existirem livros daqui a 70 anos 🙂

filme a rede social facebook

Será que eles estavam cientes do que o futuro lhes reservava? Imagem: s.glbimg.com

3 – Surpreenda. Faça diferente!

Esse é o lema da yard. agência de publicidade. O lema também faz parte da nossa missão, que é: “Criar estratégias de marketing que dão resultado, encantam e inspiram. Surpreenda, faça diferente!”. Se você ainda não tem uma missão escrita, sugiro parar tudo e escrever imediatamente. Uma boa missão nos ajuda a guiar todas as nossas decisões dentro da empresa e orienta o rumo.

Clique aqui e veja algumas dicas que podem ajudar você a ser uma pessoa mais criativa.

Suas ações fazem sentido?

Suas ações fazem sentido Como isto pode refletir no desempenho da sua empresa

Se algum dia você já parou para pensar nisso e chegou a conclusão que não sabe a resposta para uma pergunta que parece simples, não se preocupe. Em momentos de transformação constante como o que vivemos hoje, é comum agirmos conforme as teorias e aprendizados do passado. Mas, se estamos em processos de constante transformação, tanto na vida pessoal quanto nas relações profissionais, logo, nossas ações também deveriam estar. Em momentos de extrema mudança, que envolvem ideologias e diversas manifestações políticas, um mercado em expansão e retração constante e todas as incertezas que cercam empreendedores, gestores e empregados, fica difícil parar, respirar, pensar e chegar a uma conclusão. Talvez essa conclusão seja a certeza que não temos a resposta definitiva para essa pergunta, e isso é natural, não significa que não sabemos o que estamos fazendo e agimos conforme nossos instintos e na base do “achismo”. Significa que não saber é normal, reconhecer que não se tem a resposta é uma atitude positiva que pode te proporcionar centenas de insights e novas soluções para seus negócios, e é o primeiro passo que qualquer pessoa que deseja obter sucesso em qualquer coisa na vida deve tomar.

Empresário com dúvidas

Ter dúvidas é extremamente normal e importante para crescer.

O fato é que, na busca incessante por uma resposta, atravessamos uma jornada desconhecida, na qual procuramos entender o ponto central da questão e como consequência nos deparamos com um novo mundo de possibilidades, com novos desafios e objetivos a serem superados, esse novo panorama que até então poderia ser desconhecido para a maioria dos gestores deve passar do conhecimento individual para a rotina da empresa, agregando novos objetivos e recompensas para todos que estiverem dispostos a trilhar essa jornada em nome do bem do negócio. Ou seja, para que essa busca pela resposta ideal seja eficaz, é preciso agregar cada vez mais pessoas dispostas a se engajar na causa e defender os interesses da empresa de forma que vislumbrem benefícios para todas as partes.

Pensamentos lineares podem nos levar a grandes resultados, não existe regra para isso, mas é óbvio que a busca pelo conhecimento, ou melhor, pelo autoconhecimento, gera resultados inesperados, que fogem as linhas anteriormente estipuladas e abrem espaço para desvios de rota tão interessantes quanto, quase como se pudéssemos desenhar uma linha em uma folha de papel e nela soubéssemos exatamente o que fazer, esses desvios viriam como coisas novas e desconhecidas, que poderiam ser boas ou ruins, e para isso, a antecipação seria a moeda de troca mais valiosa, aqueles que ousassem desbravar, mas sempre com um planejamento para eventuais contratempos, tomaria o caminho mais longo, mas provavelmente o que traria melhores resultados. Talvez seja difícil imaginar como tomar esse rumo, como traçar as medidas necessárias para atingir esses resultados, mas talvez pelo simples fato de passar a observar isso, já ocorra uma mudança nos resultados finais. Quantificar menos processos e pessoas e passar a mensurar os verdadeiros potenciais para as mesmas é um bom exercício se essa reflexão te desperta a vontade de conhecer a resposta, ou seja, aprender a enxergar além de cargos e funções e começar a entender o que cada pessoa por trás daquele título pode fazer para que suas ações façam mais sentido. Isso significa que, o operador que trabalha oito horas em uma linha de produção pode ter tantos insights quanto o gestor responsável por aquele mesmo setor. E é nesse ponto que mora o maior erro da maioria dos gestores, se basear apenas em títulos, diplomas e especializações. É fato que, quanto mais o profissional se especializa, mais ele adquire percepções e bagagens que hora ou outra vão compor seu repertório de soluções e ideias para a melhoria de processos. Mas muitas vezes essas ideias inovadoras podem partir de qualquer setor da empresa, ou até mesmo da sociedade.

Ótimos insights podem vir dos mais baixos setores da sua empresa.

Colocar essa responsabilidade na mão dos mais “preparados” talvez seja um erro que possa ser denominado inocente, pois parte de um senso comum criado ao longo das décadas que dá aos portadores de diploma, propriedade imediata de fala – mas isso é assunto para um novo post – nos atendo ao assunto em questão, muitas vezes nos fechamos num mundo de certezas e absolutismo que com toda a certeza é prejudicial, basta imaginarmos que se uma pessoa não está aberta a novas possibilidades, experimentações, opiniões alheias e de diferentes profissionais, mesmo que estes sejam de outros setores que a princípio não tenham nada a ver com seu negócio, logo, se perdem diversas oportunidades de conhecer e desbravar novos horizontes. E levando em consideração que ficar para trás quando o assunto é tomar decisões e “fazer sentido” não soa nada vantajoso ser o último a fazê-lo, porém, deve-se tomar cuidado, pois há uma linha tênue entre ficar para trás por perder tempo e ficar para trás e aprender com os erros alheios e absorver as melhores experiências de uma situação.

Assim como em todos os setores, empresas investem milhões anualmente sem saber se estes investimentos trazem algo benéfico de fato, aqueles que souberem o momento de agir e principalmente tiverem consciência de que suas ações devem fazer sentido, e reforçando, ainda não é o momento de responder isso, mas sim de termos consciência que esta pergunta pode nos abrir muitas possibilidades, então, estes serão os primeiros a absorver as oportunidades e remodelar o mercado, que vive uma constante mutação e que não dá sinais de que deve parar de evoluir nessa tremenda velocidade tão cedo.

Clique aqui e veja algumas dicas para dar mais sentido às suas ações dentro da sua empresa.

SEO: Por que seu site precisa dele?

SEO - Por que o site de qualquer empresa precisa dele

Um site sem SEO (Search Engine Optimization), é o mesmo que um carro de corrida com combustível comum: pode até funcionar, mas não será eficaz. Com técnicas de SEO bem aplicadas, você irá dar uma bela aditivada e fazer seu carro ter muito mais aceleração e velocidade, ou neste caso, fará com que seu site esteja muito melhor posicionado no Google e de maneira orgânica, isto é, sem anúncios pagos.

 

Mas por que o SEO é importante?

Imagine a seguinte situação: Você está com um problema relativamente simples, mas que requer uma solução imediata, porém você não tem conhecimento suficiente para resolver este problema. Quais são suas opções? Pedir ajuda a um amigo, procurar uma solução por conta própria ou buscar um profissional para solucionar este problema. Certo? Pois bem, tanto para buscar solução por conta própria, quanto para procurar por um profissional, existe uma ferramenta muito utilizada em ambos os casos: o Google. O buscador mais utilizado do mundo com folga (em 2015 detinha mais de 96% da preferência dos brasileiros) determina o que acontece na internet, e não há nada que possamos fazer para mudar isso. Portanto, precisamos dançar conforme a música e adaptarmos nossos sites a ele, se quisermos estar em evidência.

E qual é a vantagem disso tudo? Simples: quanto melhor for o posicionamento, ou ranqueamento do seu site no Google, mais fácil ele será encontrado, gerando mais visitas e consequentemente mais vendas, caso o seu funil de vendas esteja funcionando corretamente. Apesar desta lógica funcionar de maneira simples, trabalhar o SEO não é tão fácil assim. Existem diversas técnicas para serem aplicadas e este é verdadeiramente um vasto universo a ser explorado.

 E como é que o ranqueamento funciona?

O ranqueamento do Google funciona por meio de robôs. Estes robôs visitam o seu site corriqueiramente, avaliando o que está publicado dentro dele, para em seguida compará-lo com o de seus inúmeros concorrentes e extrair uma análise final sobre qual está acima de qual em um ranking que reflete no posicionamento da sua página em relação a determinada frase ou palavra buscada. Os principais critérios levados em conta pelos robôs do Google ao avaliar um site são: conteúdo de qualidade, otimização da página e palavras-chave. Em seguida, você verá as principais técnicas de SEO para aplicar em seu site.

 

Palavras-chave

Palavras-chave para SEO

As palavras-chave são termos buscados no Google para se atingir um determinado resultado. Diferente da imagem acima, na maioria das vezes, seu futuro cliente não estará buscando o nome do seu negócio, mas sim soluções para o problema que ele enfrenta.

A avaliação que os robôs do Google fazem do seu conteúdo está sempre relacionada ligada ao uso de palavras-chave, elas são a base de toda estratégia de SEO. Palavras-chave são os termos pesquisados por uma pessoa no Google para se chegar até algum destino. Pense da seguinte forma: quais são as palavras que seu futuro cliente utiliza quando está pesquisando por algo relacionado à área de atuação de empresa? São estas palavras que você deve trabalhar de forma otimizada nas páginas do seu site, pois quanto melhor trabalhadas elas forem, mais fácil será de os robôs do Google identificarem que seu site traz soluções relacionadas à tais palavras-chave.

Decidir quais palavras-chave usar não é tão simples, pois essa escolha pode ser feita de forma precipitada caso não se conheça afundo o público-alvo. O primeiro passo que recomendo é o de criar as buyer personas, caso você ainda não tenha feito.

Uma ótima ferramenta do próprio Google que auxilia na criação e planejamento de palavras-chave para o seu site é o Planejador de Palavras-Chave, que ajuda com algumas dicas e sugestões de palavras. Outra ferramenta bastante útil é o Keyword Tool, que te ajuda a identificar quais são as frases mais buscadas relacionadas à uma palavra específica. Existem diversas outras que podem ser usadas e em breve farei um artigo completo com foco em ferramentas que auxiliam na otimização de palavras-chave e farão você fazer boas escolhas na hora de definir as suas. Mas não se iluda: não adianta encher seu site de palavras-chave se o conteúdo publicado não for de qualidade. Simplesmente não vai funcionar.

 

Otimização de página

A otimização de página para SEO é feita através da pesquisa de palavras-chave que falei anteriormente. Para realizar a otimização, você terá de trabalhar as palavras-chave definidas em todas as páginas e seções de seu site. As principais (e menos complicadas) seções são:

– Títulos de páginas

– Meta Description

– URL (endereço dos seus links)

– Links internos

– Imagens

 Existem outras seções importantes, que envolvem um conhecimento mais aprofundado em programação, portanto, vou deixar elas para um próximo artigo.

 

Conteúdo de qualidade

Para fechar os 3 pilares essenciais de uma estratégia de SEO adequada, temos de reconhecer a importância do conteúdo de qualidade. Existem inúmeros critérios que identificam a qualidade do seu conteúdo, que estão totalmente relacionados às palavras-chave e à otimização de página, desde o título de um post de blog, a velocidade em que o site carrega. Mas indo um pouco além disso, existem muitos outros fatores determinantes, até mesmo por exemplo se o usuário voltou ao Google depois de visitar a sua página, afinal, isto indica que o conteúdo que você apresentou para ele não é tão bom assim e não solucionou o problema dele. Como ter um conteúdo de qualidade? Eu poderia dar inúmeras dicas, que você pode encontrar no blog da yard., mas a principal delas é: crie e atualize seu site pensando em solucionar os problemas das pessoas, fazendo isso, você irá aumentar a relevância do seu site, fazendo com que as pessoas compartilhem espontaneamente seus conteúdos, linkando seu site em outras plataformas. Criando conteúdos focados em resolver problemas e oferecer soluções, fará com que você use, de forma natural, as palavras-chave em seus textos, o que também colabora com o ranqueamento. Jamais copie conteúdo de outro site sem referenciar a fonte, o Google penaliza conteúdos duplicados e seu site perderá pontos se fizer isto.

Estas são apenas algumas das principais técnicas de SEO, existem diversas outras que precisam ser levadas em conta. Mas o que você precisa ter em mente é: se você quer aumentar as visitas do seu site de forma orgânica, obrigatoriamente vai ter que trabalhar o SEO. Minha dica é: comece verificando tudo o que está errado e que pode prejudicar o desempenho do seu site no ranqueamento do Google (você pode usar o Google Search Console, por exemplo, que vai facilitar bastante). Se você não tem tempo disponível ou conhecimento técnico para fazer este tipo de análise, está na hora de entrar em contato com a gente.

análise de seo

Quer uma análise GRÁTIS de SEO em seu site? Clique aqui e faremos uma consultoria gratuita.

Por que usar pedras para decorar ambientes comerciais?

pedras para decorar ambientes comerciais - yard agencia de publicidade em ponta grossa

A arquitetura comercial anda muito conectada ao marketing. São duas coisas que caminham junto, afinal, o objetivo de ambas está relacionado a gerar valor para uma marca perante o cliente. Um ponto muito importante dentro da arquitetura comercial é a utilização da decoração. Uma boa decoração de ambientes comerciais precisa de muito cuidado, bom gosto, e principalmente, se preocupar com a proposta da empresa. Revestimentos que trazem a essência de elementos naturais em geral, são muito bem-vindos em qualquer ambiente, seja lojas, restaurantes, supermercados, hotéis, enfim, se a decoração natural for bem trabalhada e atenda a proposta do negócio (aqui entra a conexão com o marketing), com certeza vale a pena ser considerada.

Um ambiente comercial moderno, com diferenciais na decoração atrai muito mais o interesse de consumidores do que um ambiente sem graça e sem atenção, uma vez que o consumidor busca ambientes agradáveis e principalmente atraentes. Um elemento natural que é bastante procurado para ambientes comerciais são as pedras naturais. Utilizadas há séculos, constituindo esculturas, estradas, monumentos, entre outras belezas, este elemento é bastante aproveitado em escadas, pisos, revestimentos de paredes e exterior de fachadas. Por serem resistentes e duráveis, este é um elemento que vale o investimento.

Cada pedra possui suas próprias características, de acordo com o solo em que foi formada, e os minerais que a compõem. Estas propriedades é que indicam o uso ideal para cada ambiente conforme cada tipo de pedra. Por exemplo, o mármore está presente em pisos, escadas residenciais e comerciais mais sofisticadas, bordas de banheira, mesas e paredes internas; o basalto, a miracema, o seixo rolado, o mosaico português e a ardósia são normalmente empregadas em paredes e pisos de áreas externas; já a São Tomé e a Goiás são excelentes opções para a área ao redor da piscina, granito é usado na construção de lavatórios, pias, bancadas e para revestimento de fachadas, lareiras, rodapés e peitoris.

Seixo rolado na decoração

O uso de seixos rolados na decoração traz um ar de requinte e natureza ao mesmo tempo.

O limite para o uso do mármore, do granito assim como das outras pedras está cada dia menos restrito. As regras, se tratando do material, dão lugar à criatividade e ao gosto de cada um para novos usos. É sempre bom lembrar de ter o bom senso na utilização do material, para que o ambiente não fique muito frio e nem muito rústico, se isso não estiver relacionado com a proposta do seu negócio.

Não subestime a importância da decoração em seu ambiente comercial, lembre-se que toda a forma de se comunicar, seja verbal ou não verbal, interfere no comportamento do consumidor diante da sua empresa e pode determinar os rumos de uma negociação.

Quer outras dicas de decoração e arquitetura comercial para a sua empresa? Clique aqui.