Até grandes empresas erram em seu posicionamento de marketing

Até grandes empresas erram em seu posicionamento de marketing, tanto na hora de colocar alguma campanha no ar, quanto para responder questionamento de algum cliente.

Muitas empresas se espelham nas grandes para se posicionar ou tomar uma decisão. “Se as grandes estão fazendo, porque eu que sou pequena não irei fazer?” Bom, isso teoricamente é verdade. Mas calma lá, até grandes empresas erram em seu posicionamento de marketing. Isso acontece porque muitas empresas grandes também tomam decisões por impulso ou porque ainda fazem testes no mercado. Então antes de tomar uma decisão se “espelhando nos grandes” verifique primeiro se tal posicionamento deu certo.

Vamos relembrar algumas marcas que não deram muito certo na hora de inovar em seu posicionamento. Lembrando que: “Até grandes empresas erram em seu posicionamento de marketing”.

Santher – Classe A

“Classe A”: folhas pretas em vez da boa e velha folha branca

A marca da Santher resolveu lançar um papel higiênico “Classe A”: folhas pretas em vez da boa e velha folha branca. A atriz Marina Ruy Barbosa estrelou a campanha enrolada no papel, como se fosse um vestido chique. Mas ela teve de pedir desculpas ao público depois de intensas críticas à marca. A campanha trazia o slogan “Black Is Beautiful”, o que não pegou bem, já que é um slogan cooptado do movimento negro americano durante a luta pelos direitos civis.

Fonte: Exame.

Friboi – Fresquinhas e de Qualidade

Campanha JBS: Carnes fresquinhas e… vencidas?!

A Friboi também cometeu um erro tentando consertar um erro (sim, você leu certo). Depois da “Operação Carne Fraca”, que denunciava várias carnes comercializadas irregularmente no mercado.

A marca Friboi, que faz parte do Grupo JBS, foi um dos nomes citados. Para amenizar a situação, eles criaram um comercial mostrando que suas carnes eram “fresquinhas e de qualidade”, porém, a data de validade da etiqueta estava vencida, o que não passou despercebido pelos consumidores.

Dove – Preconceito Zero

Campanha Dove

Outro erro foi da Dove, que entrou na campanha “preconceito zero”, mas em um comercial colocou uma mulher negra retirando a blusa e “virando branca”, isso gerou uma péssima repercussão.

“O clipe tinha a intenção de mostrar que o produto é para mulheres de todas as etnias e de ser uma celebração da diversidade. Mas nós não soubemos nos expressar”, reconheceu um porta-voz da marca, que pertence à gigante Unilever.  Fonte: BBC

Mas o que seria um erro em pequenas empresas? Um simples cartaz posicionado de maneira errada? Um post mal-intencionado no Facebook? Um flyer com uma mensagem de duplo sentido por engano?

Várias pequenas coisas também podem representar um erro perante a consumidor. É sempre bom ficar atento e analisar com calma tudo aquilo que pode gerar repercussão. E se essa for a sua intenção, tenha em mente as respostas e justificativas que você vai ter que dar. Sempre esteja preparado.

Mas lembre-se que até grandes empresas erram em seu posicionamento de marketing. Mas errar serve para o crescimento da própria empresa. Nem sempre uma campanha será bem vista de primeira, ou será aceita pelo consumidor. Não se desespere quando algum erro cometido for de grande repercussão. Mas também não deixe de se manifestar, se for necessário.

Para criar campanhas que geram repercussão, contrate uma agência.

 

Mídia programática é essencial para sua empresa

A mídia programática é uma ferramenta recente e pouco utilizada no Brasil, porém, ela é um mecanismo muito poderoso.

Por muito tempo, a compra de mídia online foi realizada de forma manual e havia uma grande dificuldade em escolher os espaços publicitários.

Já pensou em negociar com cada site que você quer exibir anúncios? Esse trabalho consome muito tempo e dificulta na hora de definir um público-alvo, pela quantidade de opções que a web oferece, além de não haver uma padronização nos tamanhos de anúncios.

Foi para resolver isso que a mídia programática surgiu, é um processo que foge dos meios convencionais, é todo automatizado via software. Uma das plataformas mais conhecidas de mídia programática é o Google Ads, esse sistema revolucionou a publicidade online, trazendo mais eficiência e inteligência.

O Google Adwords se tornou Google Ads em 2018

Como funciona a mídia programática?

A grande sacada da mídia programática está em comprar a audiência e não os canais (websites, onde os anúncios são exibidos), de forma bem prática, você define seu público-alvo, por interesses, comportamentos, entre vários outros filtros e a distribuição dos anúncios fica por conta do software. Com base no que você definiu, ele irá mostrar os anúncios em diferentes sites da web para o público certo.

Esse tipo de mídia também abre espaço para fazer variações de anúncios, dessa forma o sistema vai aprendendo como seu público interage, e mostra os anúncios de melhor desempenho, rotacionando e ajustando em tempo real.

A mídia programática é indicada para todos os tipos de negócios, com ela é possível fazer campanhas voltadas a branding, também é possível gerar mais tráfego para o seu website, além da geração de leads.

A mídia programática possui algumas vantagens, como:

1 – Remarketing

Você já entrou em algum site e depois se viu perseguido por diversos banners?

Esse é o famoso remarketing, um método que consiste em mostrar anúncios para consumidores que já fizeram algum tipo de interação com a marca. Essa prática tem a intenção de fazer com que os consumidores que visitaram o seu site e não finalizaram a compra, voltem.

Ao clicar em um anúncio, um cookie é armazenado em seu computador e fica disponível geralmente por 30 dias, através desse registro o Google consegue identificar e exibir anúncios similares, ou até mesmo ofertas. Você já experimentou botar algum item no carrinho de compras e não a finalizar? Se sim, aposto que logo depois você deve ter recebido um anúncio deste produto, com 20% de desconto.

O remarketing está disponível em diversas plataformas de publicidade online, como: Facebook, Google, e Instagram. Se possível deve-se utilizar todas, se a verba disponível for limitada, deve analisar em qual plataforma a maior parte do seu público-alvo está presente.

A partir de tags instaladas no website, essa ferramenta consegue acompanhar todos os visitantes, desta forma é possível você atingir todas as pessoas que entraram na página inicial do website ou visitaram páginas específicas. Estrategicamente, pode-se oferecer descontos e outros produtos similares de menor ou maior custo de aquisição, integrando técnicas como as de Tripwire.

O remarketing oferece inúmeras possibilidades, chances de mapear, entender seus clientes e melhorar suas vendas. Se você não faz ainda, deve começar agora mesmo.

 

2 – Segmentação assertiva

Uma vasta gama de filtros ficará a sua disposição para montar o público-alvo, além de que o aprendizado de máquina consegue identificar potenciais consumidores de acordo com seu objetivo, por exemplo: mostrar anúncios de conversão para potenciais usuários que convertem mais.

A segmentação de audiência é a grande força da mídia programática

3 – Monitoramento e gestão de investimento

Na Dashboard, é possível controlar todos os custos a qualquer momento, você pode aumentar e diminuir as verbas da campanha. Pode-se também programar horários para as veiculações de anúncios, afim de otimizar seu investimento.

No final de tudo é possível analisar as métricas, o Google Ads por exemplo, oferece relatórios de diversos tipos, com campos personalizados para que você possa melhorar ainda mais as campanhas.

A mídia programática vem crescendo aos poucos e junto ao machine learning está revolucionando a publicidade online.

Curtiu o artigo? Se quiser saber mais como integrar essas estratégias de mídia programática diga um oi, que nós podemos te ajudar!