Arquitetura para restaurantes: Por que ela é importante?

Arquitetura em ambientes gastronômicos

Arquitetura para restaurantes é tão importante quanto o cardápio e o atendimento. A norma da necessidade da arquitetura em ambientes gastronômicos é clara: Não há restaurante que se sustente por muito tempo com uma ambientação ruim, mesmo tendo um cardápio de qualidade. Por isso, a arquitetura para restaurantes é tão importante.

Não é preciso ser um especialista em gastronomia para notar o quanto este segmento está se destacando em nosso país hoje em dia, aliás, também não precisamos ser especialistas para apreciar tudo o que a gastronomia aliada à arquitetura estão nos propiciando.

Espaços gastronômicos são ambientes especializados. O projeto alia de forma equilibrada os aspectos técnicos e funcionais referentes à armazenagem e produção de alimentos aos aspectos conceituais, seguindo os desejos do cliente “proprietário”. Não se consome apenas comida em um bom restaurante, em fato se consome um conceito. O projeto arquitetônico do restaurante deve proporcionar um local onde você tem uma experiência gastronômica e isso envolve o alimento, acomodações, cores, sons, ambientação e pessoas.

O “gourmet” está na moda e se tornou muito fácil ver bares e restaurantes temáticos, modernos e co mum conceito de arquitetura em ambientes gastronômicos surgirem, até mesmo em cidades pequenas do interior. Mas como estar preparado para montar seu negócio e impressionar pela experiência de compra através da arquitetura em ambientes gastronômicos?

 

  • Conheça seu alvo: O primeiro passo a ser tomado é definir o seu público-alvo, isso vai impactar até mesmo na hora de escolher seu ponto comercial. É importante lembrar que a decoração, bem como os móveis, acabamentos, equipamentos e materiais precisam estar de acordo com o público que deseja ser atingido com o seu projeto de arquitetura para restaurantes.

 

  • Seja acessível: Estar à vista é essencial, mas não esqueça que o local precisa ser acessível e fácil de estacionar, caso não haja um estacionamento privativo para os clientes. Ou seja, mesmo que o estabelecimento esteja na maior e mais movimentada avenida, se não for de fácil acesso não terá o sucesso esperado.

 

  • Não “se feche”: A tendência de restaurantes fechados está se dissipando, hoje em dia queremos ver e ser vistos. Invista em áreas abertas – de preferência com jardins – se áreas abertas não forem possíveis, tente pelo menos trabalhar com janelas grandes ou paredes de vidro. Isso também ajuda a divulgação, pois se você passa na frente de um restaurante e ele está cheio, com certeza você vai pensar que ali é um bom local.
Arquitetura para restaurantes - Área externa

Áreas externas ou grandes janelas são essenciais na arquitetura de ambientes gastronômicos.

 

  • Ilumine-se: A iluminação tem que ser adequada para seu tipo de estabelecimento. Procure usar uma iluminação aconchegante e focal quando for um restaurante requintado ou estabelecimentos onde se deseja que o público fique por mais tempo. Mas se seu restaurante é um fast-food, tente inquietar seu cliente com uma iluminação mais clara e generalizada, pois assim ele vai seguir o propósito de comer e não demorar muito no local. Tudo isso pode ser previsto fazendo um projeto de arquitetura para restaurantes.

 

 

Quer conversar comigo sobre como melhorar o ambiente do seu negócio?

Me chama no whats aqui.

Como fazer um projeto de ambiente de loja infantil

Como fazer um projeto de ambiente de loja para crianças.png

O público infanto-juvenil é um mercado consumidor crescente. Cada vez mais cedo, as crianças estão decidindo por conta própria o que querem ter e usar. Desta forma, uma loja que queira atingir esse público, deve ser pensada e projetada especialmente para ele. O público-alvo de lojas infantis contempla tanto as crianças quanto os adultos. Pais/responsáveis e filhos têm que se sentir confortáveis, e ter facilidade para circular e acessar os produtos. A arquitetura interna deve despertar a curiosidade para que ambos tenham interesse em explorar o ambiente, além de construir apenas uma vitrine bonita e uma boa organização, é preciso criar um cenário atrativo em relação ao universo infantil.

um ambiente de loja infantil vai alem da vitrine

Um projeto de ambiente de loja infantil vai muito além da vitrine.

Muitas lojas utilizam bichos, mascotes e personagens na decoração, na tentativa de fazer com que crianças se identifiquem mais com a marca. A estratégia pode dar certo, no entanto, corre-se o risco de que muitas crianças se mostrem mais interessadas na decoração do que nos próprios produtos que estão à venda na loja, o que acaba pondo em risco o resultado da estratégia. Por isso, é preciso tomar cuidado e saber dosar a quantidade de itens decorativos, para não desviar demais a atenção da criança.

Na disposição dos produtos, cabides, araras e prateleiras de tamanhos variados são investimentos que valem a pena, pois tanto os pais quanto as crianças podem pegar o produto, como por exemplo, uma roupa pela qual se interessem. Dessa forma, a criança sente-se mais incluída e independente dos pais, o que a fará com que ela fique mais à vontade dentro da loja.

Provadores infantis em lojas de público amplo, geralmente não são pensados com muito carinho, acabam ficando encaixados no cantinho que sobra de um ambiente. Nas lojas infantis, é preciso lembrar que em cada cabine de provador deve haver um espaço confortável para duas pessoas: um para adulto e um para criança. Outro ponto importante é a altura dos bancos da loja, no caso da necessidade de provas de sapatos, pois a criança deve poder subir e descer com facilidade do móvel.

Segurança é outra questão fundamental em qualquer ambiente que seja usado por crianças, por isso é importante considerar a utilização de móveis com cantos arredondados e pouco vidro. Espelhos devem ser bem fixados nas paredes e com moldura, para que fiquem mais firmes e seguros. Não devemos nos esquecer das tomadas, um bom projeto prevê os pontos certos para elas, mas se você adquiriu imóvel pronto e que tenha muitos pontos de tomada, deve tomar o cuidado de tampar todas que não serão utilizadas, principalmente as mais baixas que ficam ao alcance das crianças.

Essas são algumas dicas para que você possa melhorar seu negócio, ou até mesmo montar uma loja para o público infantil. E claro, não deixe de contar com o auxílio de especialistas para investir em seu negócio, no seu branding, e em tudo que faça sua empresa ter uma marca incrível e memorável.

Quer mais dicas de arquitetura comercial? Veja mais no nosso blog!

Como montar uma vitrine de Natal que atrai clientes

Como montar uma vitrine de Natal que atrai clientes

O Natal está entre as datas que mais movimentam o comércio. A magia desse período invade as vitrines das lojas e elas precisam usar isso como uma estratégia de negócios, com o intuito de encantar e atrair os clientes. Mas em meio a tantas empresas agindo de forma semelhante, é preciso fazer a sua loja se sobressair frente à concorrência. Com planejamento e criatividade, você pode ter um projeto de arquitetura comercial que fará sua loja brilhar nessa época.

Diferente das lojas dos EUA e da Europa, os lojistas brasileiros não têm o hábito de investir da mesma maneira em vitrines temáticas, mas algumas ideias simples podem fazer sua loja sair do lugar comum e atrair novos clientes em potencial. Para ter uma vitrine chamativa, você não vai precisar de um orçamento alto, existem muitos materiais simples que podem ser usados com elegância e que irão fazer sucesso. Caso você ainda não tenha pensado em fazer uma vitrine com este intuito, segue algumas dicas fáceis e práticas:

4 fatores para montar uma vitrine que atrai clientes

– A vitrine é o chamariz da loja, a oportunidade de mostrar os produtos que podem mais chamar a atenção do cliente para dentro. Invista em uma vitrine temática, com cores que remetam ao natal, como vermelho, branco, dourado e verde, além de símbolos e personagens natalinos, como Papai Noel, renas, guirlandas e a árvores.

– Vá além e reflita a personalidade do seu cliente para poder entender o que irá atraí-lo, além das decorações mais tradicionais;

– Atente-se ao horário em que a vitrine é mais vista, não esqueça que durante o dia ela deve chamar atenção;

– Aproveite para colocar uma boa iluminação. Você pode aproveitar as mangueiras luminosas de LED muito usadas nessa época do ano – uma opção prática e que não compromete o orçamento. As luzes são um elemento essencial na decoração de Natal e ainda podem destacar seus principais produtos.

As vitrines no Natal desempenham um ótimo papel nesta época do ano, elas dão às pessoas uma razão para visitar uma loja física. Nessa época, os consumidores tendem a comprar em locais diferentes e a rodar muito mais, visitando lugares onde não costumam fazer compras. Sendo assim, as vitrines são um grande anúncio, uma tentação para trazer o cliente para dentro da loja, elas ajudam a definir o tom da data e a colocar as pessoas no espírito natalino, que – como os varejistas esperam – se traduzirá em impulso de compra.

Quer mais dicas de arquitetura comercial? Acesse o restante do nosso blog!

 

4 fatores essenciais para montar uma sala de videoconferência perfeita

Arquitetura para sala de videoconferência

Em um mundo cada vez mais globalizado e exigente, o empreendedorismo para investir em tecnologias que podem antecipar e evitar infortúnios corriqueiros é necessário para companhias de todos os portes, que buscam o mínimo de estabilidade no mercado em que atuam. A videoconferência está entre as principais tendências que têm ganhado força, mostrando crescimento. A frase “uma imagem vale mais que mil palavras” faz todo o sentido no ambiente corporativo, uma vez que a chamada em vídeo é muito mais eficaz do que a telefônica em diversas situações. Além disso, com o fácil acesso à tecnologia, empresas de diferentes setores e portes começaram a investir mais em ambientes para teleconferências, onde também podem ser realizados treinamentos, reuniões, workshops, demonstrações e palestras, tudo de um jeito prático e econômico.

Montar uma sala de videoconferência é uma solução que possibilita a redução de gastos com viagens e hospedagens, além de dar maior flexibilidade para que a companhia resolva as questões necessárias com agilidade, sem abrir mão de uma estrutura profissional. Mas para que ela exista na arquitetura corporativa, é imprescindível estar atento a alguns fatores. Veja agora, 4 fatores essenciais para levar em conta na hora de montar uma sala de videoconferência:

1 – Iluminação

O uso de monitores e equipamentos requer cuidados especiais com a iluminação. Para montar uma sala de videoconferência eficiente, é preciso que todos consigam ver as projeções sem dificuldade. Nesse sentido, janelas e lâmpadas devem ser orientadas para que a luz não ofusque, nem que haja outro tipo de conflito à visão. Por isso, um bom projeto luminotécnico faz muita diferença. Recursos como os dimers, que permitem regular a luminosidade, são bem-vindos, assim como cortinas e persianas.

2 – Acústica

A acústica dentro da sala de videoconferência é um fator decisivo. Sem um tratamento adequado, a sonorização é prejudicada, o som pode “vazar” para outros ambientes e informações sigilosas podem ser espalhadas. Portanto, é necessário garantir um sistema de isolamento acústico adequado, desenvolvido com materiais de boa procedência e aplicações inteligentes. Parece óbvio, mas você deve montar uma sala de videoconferência em que apenas quem está dentro dela participe das reuniões.

3 – Disposição dos móveis

A disposição das peças do mobiliário no ambiente pode facilitar ou complicar a experiência dos ocupantes. Por isso, é importante que elas sejam devidamente orientadas de acordo com as dimensões do espaço e os equipamentos a serem empregados. Todos os participantes devem ter visão livre para as telas, assim como acesso aos itens que possam ser requisitados durante as apresentações.

4 – Equipamentos

Ao escolher os equipamentos para montar uma sala de videoconferência, você tem de levar em conta desde as marcas dos produtos, funcionalidades e recursos, até sua adequação às necessidades da empresa e do espaço onde serão instalados. Computadores, projetores, TVs, microfones e câmeras são os itens mais comuns.

Quer mais dicas para montar uma sala de videoconferência? Mande um email e eu te ajudo! duda@yardconsultoria.com.br

Como usar a arquitetura para conduzir o cliente durante a venda

Como usar a arquitetura para conduzir o cliente durante a venda

Para agregar valor aos itens vendidos e ampliar o alcance das marcas junto ao seu público-alvo, a ambientação de um espaço se faz totalmente necessária. Muitos estabelecimentos e marcas ficam conhecidos pela aparência estética do local. Esta é uma das principais propostas da arquitetura comercial dentro do marketing e do branding: estabelecer a identidade visual de forma a facilitar a identificação da marca e elevar a confiança do consumidor, gerando sempre, boas impressões, que influenciam diretamente na vontade de compra.

É com esse objetivo que cada vez mais empresários do varejo estão investindo na comunicação visual de seus estabelecimentos, com o intuito de agregar valor aos itens comercializados e ampliar o alcance das marcas, além de auxiliar no processo de criação de uma marca mais forte e potencializar as vendas. É preciso criar um padrão de cores e layouts que serão aplicados na mobília, nos uniformes dos funcionários ou cardápios, na iluminação e até mesmo no cheiro. A grande dificuldade em repaginar o negócio, no entanto, é adequar as mudanças visuais para tornar o estabelecimento prático, organizado, seguro e confortável tanto para clientes quanto para funcionários. Por isso, é preciso ordenar o ambiente de forma estratégica, quando o cliente entra em uma loja, ele precisa se sentir ambientado e a circulação deve ser facilitada para tornar a experiência da compra ainda mais confortável. Você deve conduzir o seu cliente no processo da compra de uma maneira sutil, mas planejada por você. Defina coisas como, por onde você quer que ele entre, por onde você quer que ele passe.

Para criar um ambiente adequado, é preciso ter em mente que toda a arquitetura do lugar deve ser pensada de acordo com o que é vendido ali. Dessa forma, é muito mais fácil pensar nos móveis necessários e até na própria identidade visual, como cores e texturas. Um ambiente de varejo agradável e ao mesmo tempo eficiente precisa combinar com as características do público que frequenta o local. Antes de investir nas mudanças, realize uma rápida pesquisa junto aos consumidores para compreender melhor seu estilo de vida e seus padrões de comportamento. E sempre que possível, visite outras empresas para ampliar seu repertório. Além disso, a concepção do layout da loja também deve levar em conta o conceito da marca, suas estratégias corporativas e o posicionamento de mercado. Tudo isso facilita o processo de reestruturação do ambiente e define padrões a serem aplicados na arquitetura do local.

Por fim, investir na arquitetura comercial é uma solução inteligente e duradoura para ajudar a melhorar os resultados e fidelizar clientes, já que trabalha com a emoção que cada marca desperta no consumidor.

Quer mais dicas de arquitetura comercial para a sua empresa? Clique aqui.