Aumente a velocidade do seu site com AMP (Accelerated Mobile Pages)

O celular está na nossa mão o tempo todo, utilizamos para conversar com os amigos, para trabalhar, jogar, acompanhar notícias, e para uma infinidade coisas. Segundo dados da SEMrush (Empresa de software que oferece soluções para marketing online), no Brasil mais de 50% de todo o tráfego no site de buscas são feitos através do smartphone.

Esse crescimento das buscas via mobile despertou a necessidade de melhorar a experiência do usuário, visto que a qualidade e o carregamento em dispositivos móveis deixava muito a desejar por diversos problemas, como, cobertura da rede, dispositivo e otimização dos próprios sites de destino. Tudo era muito frustrante, lento, o que se tornava um desafio de paciência para o usuário.

Em 2015 com a ideia cravada do “mobile first” a Google em parceria com outras empresas, como, Linkedin e Twitter, lançaram o AMP Project. A iniciativa AMP surgiu dessa necessidade de melhorar a navegação no mobile para todos, seja usuário, plataformas ou editores. Ao fazer buscas via smartphone você já deve ter notado em alguns resultados, um ícone de um raio no canto esquerdo, ao lado da url do site. Esse é o símbolo do AMP.

Exemplo de uma página que possui AMP (Accerated Mobile Pages).

 

Então, como o AMP funciona?

As páginas que utilizam o AMP são basicamente como qualquer outra página HTML, porém elas oferecem um conjunto limitado de recursos, que são definidos por regras e especificações do Accelerated Mobile Pages, essas páginas são carregadas e funcionam em qualquer navegador popular atualizado.

Para priorizar a velocidade e oferecer uma experiência mais veloz ao usuário, os arquivos AMP não priorizam a aparência do conteúdo, dessa forma consegue-se construir uma estrutura mais básica que pode acelerar o tempo de carregamento das páginas do website.

Outra forma de utilização das páginas AMP, é que elas podem ser armazenadas em cache na nuvem, isso ajuda a reduzir mais ainda o tempo de carregamento do dispostivo móvel. Essa combinação de recursos faz com que as páginas de destino obtenham um melhor desempenho de forma geral.

O artigo do RD Summit 2019 publicado no site da yard utiliza AMP.

Porque você precisa considerar o AMP

Neste artigo falamos que páginas que demoram até 3 segundos para carregar são ideais para usuários. Com o Accelerated Mobiles Pages, elas poderão alcançar um posicionamento orgânico melhorado nas pesquisas do Google. Sim, esse é um dos critérios que o algoritmo usa para pontuar as páginas de destino e ranqueá-las.

Bom, se você chegou até aqui já deve ter percebido como é importante ter um site que carrega rápido no smartphone,  você consegue reter mais tráfego e ainda posicionar melhor o seu site, agregando uma estratégia de SEO.

Sites lentos impactam diretamente nas vendas, já pensou em quantos possíveis clientes você pode estar perdendo por não oferecer uma experiência rápida?

Curtiu o artigo? Se quiser saber melhorar seu site e criar estratégias de marketing que funcionam, diga um oi, que nós podemos te ajudar!

 

 

Como melhorar a velocidade de carregamento do seu site

Atualmente é fundamental que as marcas melhorem a velocidade de carregamento de seus sites, inclusive para que sejam bem ranqueados nos mecanismos de buscas. Hoje o tempo parece escasso e as pessoas querem agilizar tudo o que podem, ainda mais quando se trata de uma experiência online, como: acessar as redes sociais, ler notícias, comprar ou pagar contas.

Segundo Maile Ohye do Google, 2 segundos é um tempo de carregamento aceitável, mas espera-se que a página seja carregada em menos de meio segundo. A velocidade de carregamento é essencial para quem busca a estratégia de SEO “otimização para mecanismos de busca”.

E o que acontece quando a navegação não flui? Creio que todos já passamos por isso, estamos navegando na rede social, aparece um artigo interessante, você clica ansiosamente e não carrega. Segundo a Google, a maioria dos sites perde mais da metade dos visitantes durante o seu carregamento.

Uma pesquisa da Kissmetrics revelou que 40% dos visitantes desistem de sites que levam mais de 3 segundos para carregar. Já pensou o quanto você está deixando de vender por ter um site lento?

Se seu site não está otimizado, nem tudo está perdido. Existem ferramentas que avaliam o desempenho de sites em diversas plataformas, e a Google está disponibilizando a sua própria, a “Test my site” analisa os websites minuciosamente, detalhando o que está deixando lento e até faz uma comparação com sites de outras empresas similares a sua. Vamos destrinchar o relatório feito pela Google para você ficar por dentro de cada detalhe do que pode ser apontado e melhorado.

As pessoas estão cansadas de sites lentos, está na hora de melhorar a velocidade de carregamento do seu site.

A validação acontece em algumas etapas:

a) Dados do site:

    • Execução do javaScript
    • Verificação do HTML/CSS
    • Compactação

b) Usabilidade em dispositivos móveis:

    • Legibilidade do texto
    • Janela de visualização
    • Dimensionamento do contexto
    • Analise da conexão 3G


Ao fazer a validação desses dados, a ferramenta do Google traz uma curiosidade, dizendo que até 2020, cerca de 70% das conexões de celulares serão feitas em 3G ou velocidades mais lentas.

Após a validação, será encaminhado um e-mail com todos os detalhes da análise, nela contém 3 status: “Precisa de ajustes”, “pode melhorar” e “tudo certo”.

Então o relatório trará alguns tópicos e de acordo com cada status ele apresentará soluções tais como:

1 – Imagens pesadas

É importante entender de que forma deve-se exportar a imagem, pondere bem se ela terá alta qualidade e principalmente o formato. Quanto mais leve for a imagem mais rápido ela vai renderizar na tela do usuário, também é preciso analisar cuidadosamente   se  a imagem com qualidade baixa trará os resultados esperados do CSS.

Os formatos PNG, JPEG e GIF representam 96% do tráfego total de imagens da internet, sendo o PNG e o GIF formatos sem perdas.  Para imagens animadas é recomendado a utilização de vídeos ao invés do GIF, pois o site terá uma compactação melhor, e para imagens estáticas o PNG tem a melhor qualidade visual.

A extensão JPEG apresenta perdas, a compactação remove detalhes da imagem. Para este formato deve-se considerar reduzir a qualidade para 85%, se ela for maior deve – se utilizar a extensão progressiva do JPEG, que possui uma taxa de compactação maior que a extensão de linha de base.


2 – Hospedagem

A escolha do servidor é essencial visto que os planos básicos de hospedagem possuem limitações no processamento e podem fazer com que um site com muitos acessos fique lento ou saia fora do ar. O tempo de resposta do servidor deve ser menos de 200 ms,  considere fazer uma medição para comparar com a velocidade ideal, depois de corrigido é importante analisar periodicamente para que eventuais problemas não aconteçam.

3 –  Uso de Scripts

Os Scripts são necessários para que determinada função seja executada em seu site, é de extrema importância se atentar onde eles estão armazenados, quando estão dispersos em arquivos diferentes demandam mais tempo para que cada item seja aberto.

4 –  Aproveitar o processo de cache do navegador

O Download as vezes demanda muitas viagens entre o servidor e o cliente, isso pode acarretar um bloqueio de renderização de todo o conteúdo da página. A recomendação é de que cada recurso deve especificar uma política explícita de armazenamento em cache determinando quanto tempo, quem pode fazer, e como será feita a revalidação depois que a validade da política expirar.

5 –  Reduzir Recursos (CSS e HTML)

Qualquer detalhe que você puder reduzir, reduza. É possível fazer isso por meio de uma técnica chamada “minificação”, ela remove dados desnecessários sem afetar o processamento do recurso pelo navegador.

A Google recomenda a utilização de algumas ferramentas que podem auxiliar nesta tarefa tais como:

    • HTMLminifier
    • CSSNano
    • UglifyJS
    • Closure Compiler

O processo é muito fácil, para analisar e melhorar a velocidade de carregamento do seu site basta colocar a URL e pressionar a tecla enter

6 – Adaptação para dispositivos móveis

Os dispositivos móveis invadiram todos os lares na última década e cresce cada vez mais. Mas será que toda a web está adaptada para eles? A resposta é “não”. Infelizmente esses dispositivos são limitados pelo tamanho de sua tela, e variam muito entre smartphones e tablets além de outras plataformas, por isso se você quer manter seus visitantes é necessário esse processo de otimização.

Existem a algumas recomendações para deixar a otimização impecável e uma delas é utilizar a meta tag “viewport” no cabeçalho do documento, ela instrui o navegador a ajustar o dimensionamento da página.

7 – Evite redirecionamentos da página de destino

Problemas relacionados com a página de destino podem ocorrer quando se tem mais de um redirecionamento do URL fornecido a página de destino final. Esses redirecionamentos adicionam uma solicitação de resposta HTTP, ou seja pode ser que sejam necessárias várias viagens de ida e volta para concluir a busca DNS. Por isso deve-se priorizar minimizar o uso dos redirecionamentos, desta forma o site terá um bom padrão e um bom desempenho assegurado nesta etapa.

Abaixo segue alguns padrões de direcionamento:

Analise qual é a real necessidade dos redirecionamentos e elimine o que é desnecessário.

Não adianta ter um site graficamente maravilhoso, se ele não tem desempenho e nem mesmo é otimizado para todas as plataformas, busque sempre priorizar a experiência do usuário, dessa forma não só manterá mais visitantes em sua página, como também poderá ficar a frente da concorrência no ranqueamento orgânico do Google.

Seu site está muito lento e você não consegue resolver de forma alguma? Converse conosco!

Curso de Marketing Digital em Ponta Grossa: Imersão Digital Day

Imersao Digital Day - Curso de Marketing Digital em Ponta Grossa

Você tem interesse em se aprofundar no vasto universo do marketing digital, mas não sabe por onde começar? Um curso de marketing digital em Ponta Grossa é uma ótima opção. O marketing digital é um universo a ser explorado e existem muitos cursos no mercado, mas o grande problema é que, por vezes, esses cursos acabam sendo excessivamente teóricos e o aluno sente que não aprendeu nada que possa colocar em prática.

Nós decidimos fazer algo diferente! Essa é a ideia do “Imersão Digital”, um curso de marketing digital em Ponta Grossa. 

Tem como principal objetivo fazer com que o aluno tenha uma experiência prática para entender e aplicar o marketing digital dentro da sua realidade.

Turma 2 Imersao Digital - Curso de marketing digital em ponta grossa

Turma da segunda edição do nosso curso de marketing digital em Ponta Grossa. A terceira edição será realizada em dia único, no Sábado (24/02)

Sobre o que é o curso?

Marketing digital! É sobre isso que se trata. Mas todos sabemos que aprender marketing digital não é tão simples assim e, por isso, teremos um dia inteiro para você realizar a imersão junto conosco. Faremos tudo da maneira mais prática possível, portanto o uso de notebook é indispensável.

A ideia é que, durante o decorrer do curso, as atividades sejam focadas no seu mundo, ou seja, você irá aprender o conteúdo e aplicar de forma prática na sua empresa, ou para um de seus clientes. Dentre os conteúdos que serão abordados no curso de marketing digital em Ponta Grossa, estão:

Elaboração de briefings adaptados ao seu contexto / realidade: Você já viu vários vídeos, dicas e artigos sobre marketing digital, mas sente que eles não servem para a sua realidade? No Imersão Digital a gente vai te ajudar a entender quais ferramentas fazem sentido para você usar na sua empresa ou para o seu cliente;

– Planejamento de marketing digital: Você sabe dizer qual é a verba ideal para realizar um bom trabalho de marketing digital, após as escolhas das mídias? Nós vamos ajudar a você encontrar essa resposta.

– O que é “resultado” em marketing digital: Resultado é um termo que pode ser interpretado de diversas maneiras diferentes. Isso significa que para medir resultados, é preciso entender o que eles são. Mostraremos cases de sucesso da própria yard. e também de parceiros.

– Facebook Ads e Google Adwords simplificados para usuários iniciantes: Aprenda a criar suas primeiras campanhas em ferramentas patrocinadas para gerar cliques no Google, Facebook e Instagram.

– SEO: Será mesmo que você precisa de um site? Qual conteúdo você deve publicar nele? O Brasil tem mais de 120 milhões de internautas. Será que as visitas que o seu site gera são satisfatórias e geram vendas?

– Produção de texto para para marketing digital: Aprenda sobre gatilhos mentais, uso de palavras-chave, o que são e como fazer bons CTA’s, como criar bons títulos, tamanho ideal para  textos e ideias para escrever.

– Inbound Marketing: Será que o Inbound funciona para todo tipo de negócio? Aqui, iremos desmistificar o marketing do momento e te ajudar a descobrir por onde você deve começar.

– Marketing de conteúdo: Qual a diferença entre marketing de conteúdo e Inbound Marketing? Descubra no curso! Além disso, ensinaremos a você como criar marcas interessantes para os clientes.

E-branding: Uma comunicação online padronizada fortalece o posicionamento da sua marca! No Imersão Digital falaremos sobre como trabalhar o branding online.

– Dicas básicas de design para criar conteúdo na internet: É possível criar posts para redes sociais ou infográficos e ebooks sem saber mexer em ferramentas de design, como Photoshop ou Illustrator. Daremos algumas dicas e ferramentas para você começar.

“Esse curso serve para mim?”

Se você chegou até aqui, muito provavelmente sim! O curso é destinado para todo mundo que quer entender melhor sobre como trabalhar marketing digital em seu dia-a-dia. Seja um estudante da área, freelancer, profissional com cargo dedicado em alguma empresa, dono de uma pequena empresa, etc. Não há restrições. A metodologia que desenvolvemos fará você aprender e aperfeiçoar tudo de maneira descomplicada, independentemente do seu nível de conhecimento, seja iniciante ou intermediário.

“Quem são os instrutores e por que eles são qualificados para me ensinar?”

Quando tratamos de um curso de marketing digital em Ponta Grossa, um dos aspectos mais importantes para o aprendizado é contar com instrutores que respiram o marketing online no dia-a-dia. E é assim que somos:

Lucas Ribas, CEO da yard., dispensa comentários. Formado em design gráfico e pós-graduado em marketing pela UFPR ele é professor da disciplina de publicidade online da FACPG e da pós-graduação em marketing digital da Faculdades Santana, conta com mais de 10 anos de experiência no mercado publicitário.

Eu, Felipe Ecco, sou Content Manager da Agência yard. Isso significa que sou responsável pelo planejamento de marketing digital e produção de conteúdo dos nossos clientes. Sou  formado em Publicidade e pós-graduando em Marketing. Certificado em Inbound Marketing pela Hubspot e pela Resultados Digitais.

Mas o mais importante, além de fazer essa breve biografia, é ressaltar novamente que ambos somos profissionais que trabalham no ambiente digital diariamente, buscando aprendizado e aperfeiçoamento constante. A Agência yard. É especializada em marketing digital.

“Qual é a data e horário do curso?”

Sábado dia 24/02 – Das 9h às 17h30 (com intervalo para almoço)

“Como faço para me inscrever no melhor curso de marketing digital em Ponta Grossa?”

A inscrição é online e extremamente simples. Inclusive, você pode fazer um parcelamento em 10x. Clique aqui para acessar o link de inscrição.

Inscrição no curso de marketing digital em Ponta Grossa

Ah, um presentinho especial para você que leu o post até aqui: utilize o cupom VACALOUCA e ganhe 25% de desconto na inscrição. Simples assim!

E aí curtiu? Se restou alguma dúvida, entre em contato com a gente pela nossa página no Facebook ou pelo email: oi@http://yardpublicidade.com.br

Nos vemos na imersão!

Como conveter visitantes em leads

Como converter visitantes em leads

Ter um site com muitos visitantes não é uma representação de sucesso no marketing digital. De nada adianta o site da sua empresa ter muitas visitas diárias, se esses usuários não estão convertendo, ou seja, não estão se transformando em leads. Isso não só afeta o desempenho da sua estratégia online, mas também prejudica as suas vendas. Você tem vários visitantes no site da sua empresa, mas não sabe quem eles são e qual é o real interesse deles na sua marca? Então veja a seguir, algumas dicas sobre como converter visitantes em leads no site da sua empresa.

Mas antes de tudo, o que é um lead?

Pode ser que o termo “lead” ainda não esteja claro para você. Aqui vai uma breve definição: Lead é considerado um cliente em potencial, um visitante que demonstrou interesse em uma oferta da sua empresa, seja essa oferta um conteúdo educativo, newsletter ou um produto. O usuário disponibiliza seus dados pessoais, preenchendo formulários com o seu nome, email, telefone e diversas outras informações em troca dessa oferta específica.

Após o visitante se tornar um lead, ele deve ser nutrido pela empresa através de ofertas e conteúdos que sigam um planejamento de acordo com a jornada de compra do consumidor e estágio do funil de vendas em que o lead se encontra, para chegar até o objetivo principal: concretizar uma venda.

Converter visitantes em leads igual a trocar cartao de visitas

Converter um visitante em lead é como se você estivesse recebendo o cartão de visitas dele. São informações essenciais para iniciar um relacionamento.

Posso considerar alguém que entrou em contato por algum canal offline como lead?

Sim! Se você, ao receber o contato de um interessado na sua empresa, coletou dados sobre essa pessoa, deve considerá-la um lead e incluí-la na sua base de leads, desde que este contato tenha informado qual é seu endereço de email. O endereço de email é a informação vital de um lead.

Se eu converto visitantes em leads, isso quer dizer que estou fazendo Inbound Marketing?

Não necessariamente! Uma estratégia de Inbound vai muito além de apenas conversões de visitantes em leads. A conversão é apenas uma das etapas do Inbound Marketing. Se você quer conhecer como a metodologia funciona por completo, recomendo que leia este post aqui.

Converter visitantes em leads - Funil de vendas

É dessa forma que o funil de vendas funciona no inbound marketing. Para adquirir mais clientes, é imprescindível saber como converter visitantes em leads. Imagem: Resultados Digitais

Certo, mas como converter visitantes em leads?

Existem várias técnicas e ferramentas que ajudam a otimizar um site para converter visitantes em leads, algumas delas são fáceis de aplicar mesmo por quem não tem tanto conhecimento técnico. Outras, são mais trabalhosas e exigem mais esforços, nesse caso, é recomendável que você entre em contato com uma agência especializada. Veja as 3 formas mais eficazes de como converter visitantes em leads no seu site:

 

1 – Apostando no conteúdo de blog com qualidade

Apostar em um bom conteúdo escrito no blog do seu site é uma excelente maneira de converter mais. Se você já criou suas buyer personas, provavelmente deve ter identificado quais são os principais desafios que seu público encontra no decorrer da jornada de compra.

Entendendo e processando essas informações de forma adequada, você conseguirá encontrar temas para produzir conteúdos relevantes para essas pessoas, fazendo com que elas se interessem cada vez mais por esses conteúdos e passem a enxergar a sua marca como uma referência e, ao encontrarem ofertas de conteúdos ricos (conteúdos geralmente mais elaborados, que são liberados ao visitante em troca de alguma informação sobre ele, transformando-o em um lead), irão se sentir tentados a acessá-los, gerando a conversão.

Como complemento do blog, temos as ofertas de conteúdo rico, que surgem em seguida e podem ser criadas através de landing pages.

 

2 – Estruturando landing pages com ofertas de conteúdo rico

As landing pages (páginas de captura), assim como os formulários, são páginas criadas para captar as informações do seu lead oferecendo os conteúdos ricos que citei no tópico anterior. Inclusive, você mesmo irá estabelecer nas landing pages, quais informações são importantes para solicitar ao seu lead em troca da oferta.

Existem ferramentas específicas para a criação de landing pages, você pode usar uma dessas 3, por exemplo:

– RD Station: Desde o nascimento, a yard. utiliza a plataforma da Resultados Digitais para a geração de leads e todo o trabalho de Inbound Marketing de todos os clientes. Isso porque o RD Station é uma plataforma que reúne inúmeras funções, que vão além da conversão de visitantes em leads. Outras principais funções são a automação de e-mails, análise de resultados, disparo de emails marketing, criação de popup’s em sites e diversas outras. O plano mais básico do RD custa a partir de R$329,00.

RD Station para converter visitantes em leads

Painel do RD Station, ferramenta especializada para Inbound Marketing, cujo a yard. tem parceria desde o surgimento da agência.

Instapage: É uma ferramenta muito mais simples do que um software de inbound como o RD, mas é bastante indicada para a criação de ofertas de conteúdo. Conta com diversos modelos diferentes de landing pages e é totalmente personalizável. A ferramenta oferece um teste grátis de 30 dias e, após esse período, tem uma taxa de uso de $29,00 mensais.

– Anúncios de leads do Facebook: Essa é uma ferramenta relativamente nova que o Facebook disponibilizou como uma nova forma de fazer anúncios dentro da plataforma. Ao invés de criar os tradicionais anúncios para gerar curtidas ou visitas no site, você pode criar formulários que irão captar informações dos usuários da rede social. A ferramenta não tem um custo fixo, o investimento depende de você e, quanto maior for a verba, maior será o resultado, obviamente.

Leia um pouco mais sobre como converter visitantes em leads qualificados neste outro artigo.

 

3 – Trabalhando o CRO (Otimização de conversão)

CRO são técnicas voltadas para otimizar a conversão de usuários dentro de um site. Dentro deste método, vale destacar:

– Teste A/B: Basicamente, trata-se de criar duas versões diferentes de uma mesma página, alterando apenas alguns elementos chaves dentro de cada uma das páginas para entender quais geram melhor resultado em conversões. Posições dos CTA’s (botões de chamadas para ação), imagens, textos e títulos utilizados são exemplos de elementos que podem ser alterados e comparados em um teste A/B.

– Otimização de posts: Uma maneira que contribui no aumento da taxa de conversão de visitantes é a otimização de posts do seu blog. Um bom exemplo disso é a técnica de copywriting, quando o autor faz uso de palavras adequadas e persuasivas, que irão levar o usuário a tomar uma ação após ler o texto, seja ela de converter em uma landing page ou até mesmo realizar uma compra. Copywriting é escrever bem, persuasivamente e pensando em como converter visitantes em leads.

Mas apenas aplicar o copywriting não será suficiente se o post não estiver otimizado com chamadas para a conversão. Portanto, é imprescindível que CTA’s, banners e popup’s estejam estrategicamente incorporados nos posts. Mas cuidado com os exageros para não poluir demais e prejudicar a navegação do usuário.

– Experiência do usuário: O quão bom seu site é? A navegação nele é fácil? A disposição das informações está boa? As páginas carregam rapidamente? Tudo isso pode influenciar nos índices de conversão dos visitantes em leads no seu site. Ao navegar em páginas que tenham fluidez e um bom design, o visitante se sente muito mais confortável e tem mais confiança em realizar uma conversão. A experiência do usuário deve ser positiva no site da sua marca.

Quer mais dicas de marketing digital? Baixe nosso ebook e conheça novas formas de potencializar o marketing da sua empresa na internet.

Principais ferramentas do marketing digital ebook

SEO: Por que seu site precisa dele?

SEO - Por que o site de qualquer empresa precisa dele

Um site sem SEO (Search Engine Optimization), é o mesmo que um carro de corrida com combustível comum: pode até funcionar, mas não será eficaz. Com técnicas de SEO bem aplicadas, você irá dar uma bela aditivada e fazer seu carro ter muito mais aceleração e velocidade, ou neste caso, fará com que seu site esteja muito melhor posicionado no Google e de maneira orgânica, isto é, sem anúncios pagos.

 

Mas por que o SEO é importante?

Imagine a seguinte situação: Você está com um problema relativamente simples, mas que requer uma solução imediata, porém você não tem conhecimento suficiente para resolver este problema. Quais são suas opções? Pedir ajuda a um amigo, procurar uma solução por conta própria ou buscar um profissional para solucionar este problema. Certo? Pois bem, tanto para buscar solução por conta própria, quanto para procurar por um profissional, existe uma ferramenta muito utilizada em ambos os casos: o Google. O buscador mais utilizado do mundo com folga (em 2015 detinha mais de 96% da preferência dos brasileiros) determina o que acontece na internet, e não há nada que possamos fazer para mudar isso. Portanto, precisamos dançar conforme a música e adaptarmos nossos sites a ele, se quisermos estar em evidência.

E qual é a vantagem disso tudo? Simples: quanto melhor for o posicionamento, ou ranqueamento do seu site no Google, mais fácil ele será encontrado, gerando mais visitas e consequentemente mais vendas, caso o seu funil de vendas esteja funcionando corretamente. Apesar desta lógica funcionar de maneira simples, trabalhar o SEO não é tão fácil assim. Existem diversas técnicas para serem aplicadas e este é verdadeiramente um vasto universo a ser explorado.

 E como é que o ranqueamento funciona?

O ranqueamento do Google funciona por meio de robôs. Estes robôs visitam o seu site corriqueiramente, avaliando o que está publicado dentro dele, para em seguida compará-lo com o de seus inúmeros concorrentes e extrair uma análise final sobre qual está acima de qual em um ranking que reflete no posicionamento da sua página em relação a determinada frase ou palavra buscada. Os principais critérios levados em conta pelos robôs do Google ao avaliar um site são: conteúdo de qualidade, otimização da página e palavras-chave. Em seguida, você verá as principais técnicas de SEO para aplicar em seu site.

 

Palavras-chave

Palavras-chave para SEO

As palavras-chave são termos buscados no Google para se atingir um determinado resultado. Diferente da imagem acima, na maioria das vezes, seu futuro cliente não estará buscando o nome do seu negócio, mas sim soluções para o problema que ele enfrenta.

A avaliação que os robôs do Google fazem do seu conteúdo está sempre relacionada ligada ao uso de palavras-chave, elas são a base de toda estratégia de SEO. Palavras-chave são os termos pesquisados por uma pessoa no Google para se chegar até algum destino. Pense da seguinte forma: quais são as palavras que seu futuro cliente utiliza quando está pesquisando por algo relacionado à área de atuação de empresa? São estas palavras que você deve trabalhar de forma otimizada nas páginas do seu site, pois quanto melhor trabalhadas elas forem, mais fácil será de os robôs do Google identificarem que seu site traz soluções relacionadas à tais palavras-chave.

Decidir quais palavras-chave usar não é tão simples, pois essa escolha pode ser feita de forma precipitada caso não se conheça afundo o público-alvo. O primeiro passo que recomendo é o de criar as buyer personas, caso você ainda não tenha feito.

Uma ótima ferramenta do próprio Google que auxilia na criação e planejamento de palavras-chave para o seu site é o Planejador de Palavras-Chave, que ajuda com algumas dicas e sugestões de palavras. Outra ferramenta bastante útil é o Keyword Tool, que te ajuda a identificar quais são as frases mais buscadas relacionadas à uma palavra específica. Existem diversas outras que podem ser usadas e em breve farei um artigo completo com foco em ferramentas que auxiliam na otimização de palavras-chave e farão você fazer boas escolhas na hora de definir as suas. Mas não se iluda: não adianta encher seu site de palavras-chave se o conteúdo publicado não for de qualidade. Simplesmente não vai funcionar.

 

Otimização de página

A otimização de página para SEO é feita através da pesquisa de palavras-chave que falei anteriormente. Para realizar a otimização, você terá de trabalhar as palavras-chave definidas em todas as páginas e seções de seu site. As principais (e menos complicadas) seções são:

– Títulos de páginas

– Meta Description

– URL (endereço dos seus links)

– Links internos

– Imagens

 Existem outras seções importantes, que envolvem um conhecimento mais aprofundado em programação, portanto, vou deixar elas para um próximo artigo.

 

Conteúdo de qualidade

Para fechar os 3 pilares essenciais de uma estratégia de SEO adequada, temos de reconhecer a importância do conteúdo de qualidade. Existem inúmeros critérios que identificam a qualidade do seu conteúdo, que estão totalmente relacionados às palavras-chave e à otimização de página, desde o título de um post de blog, a velocidade em que o site carrega. Mas indo um pouco além disso, existem muitos outros fatores determinantes, até mesmo por exemplo se o usuário voltou ao Google depois de visitar a sua página, afinal, isto indica que o conteúdo que você apresentou para ele não é tão bom assim e não solucionou o problema dele. Como ter um conteúdo de qualidade? Eu poderia dar inúmeras dicas, que você pode encontrar no blog da yard., mas a principal delas é: crie e atualize seu site pensando em solucionar os problemas das pessoas, fazendo isso, você irá aumentar a relevância do seu site, fazendo com que as pessoas compartilhem espontaneamente seus conteúdos, linkando seu site em outras plataformas. Criando conteúdos focados em resolver problemas e oferecer soluções, fará com que você use, de forma natural, as palavras-chave em seus textos, o que também colabora com o ranqueamento. Jamais copie conteúdo de outro site sem referenciar a fonte, o Google penaliza conteúdos duplicados e seu site perderá pontos se fizer isto.

Estas são apenas algumas das principais técnicas de SEO, existem diversas outras que precisam ser levadas em conta. Mas o que você precisa ter em mente é: se você quer aumentar as visitas do seu site de forma orgânica, obrigatoriamente vai ter que trabalhar o SEO. Minha dica é: comece verificando tudo o que está errado e que pode prejudicar o desempenho do seu site no ranqueamento do Google (você pode usar o Google Search Console, por exemplo, que vai facilitar bastante). Se você não tem tempo disponível ou conhecimento técnico para fazer este tipo de análise, está na hora de entrar em contato com a gente.

análise de seo

Quer uma análise GRÁTIS de SEO em seu site? Clique aqui e faremos uma consultoria gratuita.