marketing digital

Até onde meu time de relações públicas pode chegar?

Blog
Por Bruno
24 de junho de 2021 5 minutos

Vivemos em um mundo onde a internet simplesmente tomou conta. A quantidade de informações que recebemos diariamente é de proporções astronômicas e vai do usuário decidir o que é relevante, interessante, importante ou até mesmo o oposto disso. Com quantos memes você teve contato apenas no dia de hoje? Com quantas manifestações de opinião você já se deparou no decorrer da semana?

Até então, estou falando sobre o usuário, do que ele consome na sua rede particular. Mas imagine que você possui uma empresa, grande ou pequena, que tem contato direto com o público por meio das redes. Já sabemos que os conteúdos que citei anteriormente geram muito engajamento, nós adoramos ver discussões políticas e ideológicas, até mesmo participamos delas. Mas posso colocar minha marca para chamar atenção para esses temas?

Já não se pode mais ignorar movimentos sociais, pois, querendo ou não, eles fazem parte de nossa sociedade e temos o dever de reconhecer a importância de cada um. Eu posso acessar alguma de minhas redes sociais e escrever um grande texto sobre isso, expor opiniões, publicar fotos ou imagens. Mas, se eu tiver uma empresa, o assunto se torna mais delicado.

Comportamento do brasileiro e tendências do mercado para 2022

Quando falamos de uma marca, imagina-se que ela tem o poder de gerar impacto em pessoas que a consomem ou não. Eu posso ser vegetariano, mas é impossível não ter contato com nenhuma campanha do Burger King em algum momento. Esse é só um exemplo entre inúmeros outros. Uma empresa quando se posiciona nas redes, gera engajamento com quem está próximo e quem está distante, quem veste a camisa da marca ou a repudia. Ou seja, seu time de relações públicas deve ser muito perspicaz na hora de gerar visibilidade para a marca e publicar conteúdo.

Tá, mas o que pode e o que não pode? Sinceramente, não sabemos. Na verdade, temos conhecimento do que é totalmente proibido pelas políticas de uso das plataformas e temos uma noção do que envolve basicamente o bom senso. Quero listar alguns exemplos do que eu considero interessante e o que eu evitaria por completo. Sobre o que sua empresa vai postar?

MOVIMENTOS SOCIAIS

Uma pauta de extrema relevância e necessidade nos dias de hoje. Não tem como ignorar o que acontece no mundo e como grupos de movimentos sociais estão lutando pelo que acreditam. Mas se o público-alvo da sua empresa não pertence a esses grupos, é arriscado tocar nesse assunto?

A resposta é sim, claro. Uma empresa que atende majoritariamente o público masculino, corre riscos ao falar sobre temas como feminismo. Talvez o seu público não esteja imerso nesse tema, ou até mesmo, tenha um pré-julgamento sobre isso. Entretanto, são riscos que podem elevar sua marca e atrair novos públicos, pessoas que não faziam parte da sua base de clientes, podem criar uma grande simpatia pela sua marca.

A propagação de informações sobre seu posicionamento também pode gerar um grande fluxo de engajamento orgânico, ou seja, até quem está te criticando, está te promovendo gratuitamente. Pessoas que nem consumiam a marca estão falando dela em todo canto e captando novas oportunidades sem saber. É uma estratégia que exige estudo e atenção.

Até grandes empresas erram em seu posicionamento de marketing

CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Talvez um tópico menos polêmico, mas não menos necessário, são campanhas de conscientização. Alguns exemplos são procedimentos para a prevenção da COVID-19, que está muito em voga atualmente, assim como campanhas para prevenção de câncer e cuidados com a saúde física e mental. Normalmente são temas mais fáceis de abordar, por dificilmente gerarem polêmicas e opiniões adversas dos usuários das redes sociais.

Porém, apesar de serem temas necessários, eles não servem para gerar engajamento nas redes, por ser algo que já é falado por muitas outras empresas, que também não correm riscos falando sobre isso.

MEMES

Um terreno que deve ser explorado com muito cuidado, é a memelândia. Algumas empresas evitam por completo, outras abraçam a causa com vigor. Memes são elementos vitais na internet, mas ao mesmo tempo que geram muito engajamento, eles são renovados com muita frequência. Temos sim tendências de mercado que as empresas devem acompanhar, mas quando se trata de memes, são tendências relâmpago que podem saturar e terminar antes mesmo da sua equipe conseguir finalizar e veicular uma campanha contendo o conteúdo, que era o pico do entretenimento na semana anterior.

Também investir em campanhas que farão parte do portfólio da empresa, como vt’s para tv, não devem conter memes que logo serão esquecidos e rejeitados, por isso, deve-se evitar investir nesse material para algumas mídias.

Outra questão interessante são os “direitos autorais” dos memes. Montagens, frases de impacto, piadas e emojis que circulam pelas redes, muito raramente tem um responsável pela sua criação estampado na peça. Muitos usuários criam conteúdo para publicar nas redes sem compromisso, e, por isso, os direitos autorais legais não são aplicados. Sua empresa pode postar um meme para promover uma campanha e receber um comentário de alguma pessoa dizendo “Esse meme é meu!”. Mas será que é mesmo?

E será que todos os memes que olhamos e damos risada, vamos atrás para saber quem criou? Como eu disse lá no começo, somos bombardeados com muita informação diariamente, normalmente não temos tempo e nem interesse por isso.

APELAR PARA O DESCONFORTÁVEL

Todo conteúdo antes de publicado, deve passar por aprovação, por diversos motivos. Muitas vezes vemos campanhas, peças e anúncios em vídeos com conteúdo que nos deixa sem entender. “Era para ser engraçado?”, “Era para me causar alguma emoção?”, “Alguém publicou isso sem aprovação de algum setor responsável?”. Um exemplo são os ads de apps de vídeos como Tik Tok e Kwai. Sabemos que tais apps servem para um entretenimento leve e descompromissado, mas as campanhas veiculadas às vezes são de baixa qualidade, não somente pelo conteúdo do vídeo, mas pela qualidade de imagem, corte e edição. É tudo precário e parece não ser feito para atrair o consumidor para baixar o app. Mas gera engajamento. Por quê?

Quando algo gera esse tipo de desconforto, ele viraliza. As pessoas começam a criticar e divulgar o conteúdo em suas redes e, mesmo com as legendas “Não aguento mais isso, é horrível”, o conteúdo está lá sendo promovido gratuitamente por você. Estratégias como essa (ou até mesmo se foi acidental) podem alavancar sua popularidade e visibilidade. Mas assim como outros tópicos citados, é um risco a correr.

User-Generated Content: como aumentar seu engajamento nas redes sociais

E aí, sua empresa sabe como trabalhar com a comunicação com o cliente? Está seguindo os passos certos para gerar engajamento utilizando das estratégias citadas?

Ouça mais sobre o assunto neste yardcast

Artigos Relacionados

eventos

Cupom de desconto RD Summit – Como conseguir

Autor Ecco | 4 minutos
Cupom de desconto para o RD Summit 2023? Você está no lugar certo! Aqui você garante 15% de desconto para comprar seu ingresso em qualquer lote. 🤩  Clique aqui para comprar seu ingresso para o RD Summit com cupom de desconto de 15% - Quer garantir o seu ingresso para o RD Summit com... Leia Mais
marketing digital

Conteúdos simples e baratos para estratégias de marketing em 2022

Autor Alisson | 3 minutos
Sua empresa está buscando apostar no marketing de conteúdo, mas não quer ter um investimento tão grande em tempo e dinheiro? Neste artigo vamos citar excelentes tipos de conteúdos que têm grande potencial de funcionar e são relativamente simples de serem desenvolvidos. Nosso foco hoje é... Leia Mais
marketing digital

Copy para Marketing: A Jornada do Herói

Autor Hellen Scheidt | 6 minutos
Sabe quando você tem uma copy para escrever, mas não sabe por onde começar? Ou qual argumento usar? E como ser assertivo no texto para fazer com que a pessoa faça o que você quer? Seja acessar o site, realizar um cadastro, entrar em contato, fazer uma compra...   Esse é um problema... Leia Mais