marketing

Parcerias inusitadas entre marcas que deram certo

Blog
Por Bruno
14 de setembro de 2021 | 4 minutos

Existem diversos propósitos para realizar uma parceria entre empresas. Algumas buscam novas oportunidades de crescimento, alcançar um novo público ou até mesmo por uma questão crítica como crise de imagem ou risco de falência. Em um mercado com tantos concorrentes para competirem entre si, como uma parceria pode ser benéfica e trazer vantagens para os envolvidos?

 

No mercado conhecido como B2B (Business to Business), parcerias entre marcas são constantemente observadas como uma estratégia de aprimorar os serviços e unir os fatores que representam cada uma das partes. Mas nem tudo precisa ser para sempre. Pois, apesar de haver vários cases de empresas adquirindo outras empresas (por valores muitas vezes astronômicos), também existem campanhas específicas e lançamentos de produtos. O que faz de algumas parcerias entre marcas algo temporário, com apenas um determinado propósito.

Negócio foto criado por yanalya – br.freepik.com

O que tenho a ganhar com uma parceria?

 

É essencial fazer um bom planejamento e desenvolver uma estratégica eficiente e promissora antes de fechar uma parceria. Ou até mesmo fazer a compra de uma empresa. Em 2012, a Google comprou a Motorola por 12 bilhões de dólares acreditando que essa aquisição poderia consolidar o Google para o mercado de smartphones que utilizam o sistema operacional Android. Entretanto, não era uma época boa para a Motorola e os celulares lançados não atingiam o padrão necessário para que fossem bem-sucedidos. Ainda mais com tantas concorrentes exemplares no mercado, como a Samsung. Esse é um exemplo de que não importa o valor de mercado e legado de tal empresa, para fazer uma aquisição, deve se levar em consideração o que essa marca vai me trazer no futuro.

Google e Android

Mas a ideia é falar de parcerias entre marcas que foram bem-sucedidas, não é mesmo? Começando por uma que eu admiro bastante: Google e Android. O Google está presente em nossas vidas desde que éramos jovens. Ter todos os recursos do Google já nativos em nossos smartphones (desde que possuam o sistema operacional Android) é uma grande facilidade. Se precisarmos trocar de aparelho, fazer backup de nossos dados é fácil e intuitivo, sem a necessidade de aplicativos extras, grande conhecimento em tecnologia e até mesmo cabos e um computador de mesa.

WhatsApp e Instagram

Ainda falando um pouco sobre celulares, uma parceria entre marcas que agregou aos usuários é a compra do WhatsApp e Instagram pelo Facebook. Normalmente, quem tinha uma conta em qualquer uma dessas redes, tinha na outra (ou até mesmo em todas, como eu). Integrar as 3 redes sociais foi uma estratégia de sucesso e apesar de não alterar muito nas funcionalidades de cada uma delas, essa unificação promoveu um suporte mais rápido ao usuário, assim como a facilidade no compartilhamento de conteúdo. Em 2021, o Facebook já perdeu um pouco de sua força como rede social, mas o Instagram e o WhatsApp seguem com grande adesão dos usuários, em especial o público jovem.

O Facebook vai acabar? Como isso vai afetar o marketing digital?

Nintendo e Microsoft

Com a compra da franquia Minecraft pela Microsoft em 2014 por 2,5 bilhões de dólares, o jogo continuou disponível em todas as plataformas de jogos, inclusive plataformas lançadas pelas concorrentes da Microsoft, e dispositivos móveis. O jogo não se tornou exclusivo da Microsoft, independente de sua aquisição. Com o lançamento do Nintendo Switch, em 2017, a Nintendo e Microsoft (até então vistas como concorrentes diretas no mercado de vídeo games), continuaram com parcerias indiretas, como diversos jogos exclusivos de XBOX (Console produzido pela Microsoft) sendo lançados para o Nintendo Switch, e até mesmo personagens de propriedade da Microsoft aparecendo em jogos exclusivos da Nintendo (Super Smash Bros: Ultimate). Segundo uma declaração da Microsoft, eles nunca consideraram a Nintendo como um oponente direto, por seguirem ritmos e estratégias diferentes quanto ao seu público-alvo, não competindo diretamente.

Nubank e Zeedog

Recentemente, recebi um email do banco Nubank, divulgando a parceria entre eles e a Zeedog, empresa responsável por produtos destinados para pets. Indagado pela parceria até um pouco estranha, fiquei impressionado com a criatividade: Apesar de ser uma campanha única, destinada a arrecadar fundos para uma ONG de proteção aos animais, o projeto Nudog consistia em um brinquedo de borracha em formato de cartão, apenas mais espesso para que petiscos possam ser inseridos dentro dele, entretendo o animal. A ideia surgiu após inúmeros chamados de suporte solicitando novos cartões, após os animais destruírem o cartão Nubank de seus donos.

 

Parcerias entre marcas podem sempre se tornar cases de sucesso e ter uma grande repercussão, mas para isso é necessário que elas se conheçam bem e saibam como cada uma pode contribuir para atingir os objetivos planejados.

 

Ouça mais sobre o assunto no yardcast:

Artigos Relacionados

marketing

O que é Metaverso?

Autor Hellen Scheidt | 7 minutos
O que é Metaverso? Desde que foi anunciado pelo criador do Facebook em outubro de 2021, essa provavelmente foi uma das perguntas mais feitas ao Google. As buscas pelo termo "Metaverso" no Google aumentaram mais de 12.000% comparando junho de 2022 com junho de 2021. Algumas empresas ficaram... Leia Mais
marketing

Como errar feio no marketing de um negócio

Autor Lucas Ribas | 7 minutos
Muita gente acredita que marketing é sinônimo de publicidade. E é exatamente aqui que inicia o erro, a publicidade ou o ato de divulgar um negócio e seus produtos e serviços é apenas uma das partes do marketing.   Conceitos iniciais sobre marketing Para te ajudar a entender vou fazer... Leia Mais
marketing

Os 4 P’s do marketing: Onde você está errando?

Autor Ecco | 4 minutos
4 P's do marketing (ou marketing mix) é um conceito clássico e, acredito que seja o mais reconhecido do universo do marketing. Foi criado por Jerome McCarthy e difundido por Philip Kotler no livro Administração de Marketing, em suas dezenas de edições. Aliás, fica a recomendação de... Leia Mais